Petra, Jordânia: A exuberante cidade perdida

Carioca Travelando checking in

No penúltimo post contei sobre o defunto mais lindo que já conheci: o Mar Morto. Agora é a vez de relembrar como foi conhecer a incrível cidade antiga de Petra. Quem aí lembra das sessões da tarde ou tela quente com as aventuras de Indiana Jones e a ultima cruzada? Eu sempre sonhei em conhecer essa que é uma das sete maravilhas do mundo moderno. Lembro que ainda criança, via as fotos nas revistas, e depois já grande, via as fotos dos amigos, e não conseguia acreditar que aquilo era realmente de verdade. Como pode os mesmos que já falei aqui e que construíram Madain Saleh terem arquitetado Petra, a sua então capital dessa civilização em 312 A.C, e as suas ruínas ainda estarem de pé? Na primeira oportunidade que tive, fiz como Indiana Jones: fui lá explorar.

Petra

Ele fez as honras da casa – com direito a pose pra foto!

Como contei no último post sobre a Jordânia, fizemos um bate e volta de carro, do Mar Morto até Petra, cidade dos Nabateans. O mesmo motorista que nos buscou no aeroporto foi o nosso companheiro de viagem durante toda a nossa estadia no país. Ele, local da capital Amman, conhece a cidade com a palma da mão. Então se você puder, sugiro que faça o mesmo. Dessa forma, você não precisa se preocupar com mapas, transporte e com o idioma – percebi que na Jordânia, ao contrário de muitos lugares que já visitei no Oriente Médio, o inglês não é tão falado, a maioria só fala árabe. Logo ter um motorista local contigo otimiza o seu tempo, te serve indiretamente como tradutor, logo te poupa de vários Apertos pelo Mundo.

Chegamos! Um clique da entrada de Petra

Chegamos! Um clique da entrada de Petra

Depois de 3 horas (as 3 horas mais longas da minha vida), chegamos à Petra. Essa viagem de carro foi “legen… wait for it D-A-R-Y”, e merece um post a parte (quase um filme) – aguardem as cenas dos próximos capítulos no “Apertos Pelo Mundo”. Ao chegar, fomos direto comprar os tickets (que custam por volta de 50 JD, mais ou menos 70 USD cada), bem salgadinhos, né? E como estava bem frio e ventava bastante, optamos ao invés da longa caminhada morro abaixo, em alugar uma charmosa charrete com guia para nos levar a desbravar os caminhos da cidade perdida mais famosa do mundo.

E lá vamos nós

E lá vamos nós

Nosso guia era uma simpatia em pessoa e até topou posar pra gente. Muito gente fina. Com um inglês tipo “the book is on the table”, mas cheio de boa vontade em nos orientar, ele ia nos mostrando cada detalhe que passava por nós. O primeiro lugar que impressionou de cara, foi a entrada que conduz à Petra, que começa na barragem e vai até a Câmara do Tesouro, região conhecida como Al Siq.

Nossa paisagem pelo caminho...

Nossa paisagem pelo caminho…

O caminho é realmente de fazer qualquer explorador babar. Fendas em cores e tons belíssimos parecem ter sido desenhadas na rocha. Um outro detalhe que o guia nos apontou, foi os reservatórios construídos pelos Nabateans, dedicados a armazenar água para uso da população da cidade inteira. Ele também nos mostrou os canais feitos nas rochas onde a água era filtrada e transportada a várias partes da cidade. Agora para comigo e pensa em todas essa engenharia construída há mais de 2000 mil anos atrás. É ou não é pra ser uma das setes maravilhas do mundo?

Olha as fendas que eu falei aí

Olha as fendas que eu te falei aí

Depois de alguns minutinhos passeando de charrete, nos caminhos estreitos e sinuosos de pedras (ah, prepara a coluna porque é uma chacoalhação danada pelo caminho), finalmente encontramos a gigantesca Câmara do Tesouro. U-A-U! A construção é imensa e a riqueza de detalhes desse lugar milenar fazem a gente admirar mais ainda essa maravilha do mundo moderno. Pura história. Dá pra imaginar quanta coisa já aconteceu por lá?

U-A-U!

U-A-U!

Como fomos no mês de fevereiro, estava bem frio e ventava bastante, nossa visita à Petra foi só até Câmara do Tesouro, além de explorar as redondezas – tá vendo só, como eu tenho que voltar à Jordânia? Como disse no post anterior, após o fato, o ideal para conhecer Petra é dormir pelo menos uma noite na cidade, assim dá pra visitar a maior parte da cidade sem pressa.

Espia só esses detalhes...

Espia só esses detalhes…

Ah, e para a Carioca aqui, tempo agradável e sapatos confortáveis também são fundamentais. Nem tão frio, nem tão calor (o verão lá também é de fritar). Com a temperatura agradável, dá pra fazer uma boa caminhada com calma, descobrindo cada detalhe da cidade. Você sabia que Petra ainda não se revelou por completo para os pesquisadores? Olha que máximo: ainda nos dias de hoje a cidade possui muitos tesouros escondidos, ainda soterrados por anos de tempestades de areia.

Diz aí: Petra merece ou não a fama que tem?

Diz aí: Petra merece ou não a fama que tem?

Petra foi cenário de diversos filmes hollywoodianos, incluindo (claro), Indiana Jones e a Última Cruzada (1989), Transformers, A Rainha do Deserto e o famoso Mortal Combat. Pra quem é louco por séries de TV como eu, vale a pena conferir o episódio do An Idiot Abroad (AQUI), quando Karl foi conhecer as rochas dançantes de Petra. Eu sou super fã dessa série na qual esse britânico rabugento é convidado à visitar as 7 maravilhas do mundo e nos mostra tudo com uma ótica, digamos, bem particular. A série é uma das minhas favoritas, onde cultura e comédia caminham juntas. As risadas são garantidas.

Risada nervosa... ele olhou pra mim! Amigo, amigo...

Amigo, amigo…

E você, tem vontade de conhecer Petra? Já esteve por lá? Compartilha aqui nos comentários com a gente as suas dicas e histórias. Eu quero voltar lá. Como sempre, te convido a acompanhar as aventuras do Carioca Travelando pelas redes sociais (Facebook, Instagram, Twitter). Ah, logo logo tem o Apertos Pelo Mundo na Jordânia. Muito obrigada pela sua companhia e até a próxima viagem.

Carioca Travelando checking out

Comments

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

CommentLuv badge