Jambo Jambo – Rumo à Zanzibar

Carioca Travelando checking in

Eh saudade que bate no meu coração… saudade de escrever aqui pra vocês, sabia? Antes de mais nada faço questão de explicar minha ausência em atualizar o blog: a Carioca que vos fala, resolveu embarcar em aventuras acadêmicas e quando não está dando voltinhas pelo globo, está literalmente com a “cara nos livros”. Então viajantes, mil perdões pela ausência aqui (quem me acompanha pelo Instagram, Facebook e Twitter sabe que eu continuo super ativa lá), mas é por uma excelente causa e prometo ficar mais presente. Tenho várias dicas que só precisam dar aquela vistada final básica e dar o enter. Mas vamos ao que interessa, né? Vamos falar da tekpix (não resisti…), ops vamos falar da Tanzânia. Ou melhor conhecida como a terra do Rei Leão, sim terra do Simba.

Zanzibar

Eu sonhava com essa vista

Por que a Tanzânia?

E por que não? Diferente da maioria de nossas aventuras, a visita ao país do “Jambo, Jambo” (que significa um jovial “Olá!”),  foi completamente inesperada. Foi mais ou menos assim: a Qatar Airways (a minha queridinha da região), fez uma promoção relâmpago em que crianças voavam sem pagar nada (isso mesmo, de grátis), para determinados destinos. Eu, orgulhosa Mãe de gêmeos, com uma semana de férias escolares se aproximando, fui ao delírio quando vi essa oportunidade. Peguei minha travel wish-list…

This time is for Africa :)

This time is for Africa… santa promoção da Qatar Airways

E assim, foi dada a largada: pesquisa destinos daqui, hotéis de lá… com menos de uma semana para viajar, e depois de dias frenéticos lendo guias, blogs, reviews e etc… (além das funções acumuladas de Māe x2, esposa, estudante…), o lugar escolhido para merecidos 7 dias de férias escolares foi a pequena ilha-paraíso de Zanzibar. Pensa na felicidade da pessoa aqui que adquiriu 4 tickets para o paraíso-na-terra a preço de 2? Os aventureiros e aventureiras PIRAM…

O Hotel – To be continued…

Como tínhamos reservado as passagens com apenas uma semana antes de levantar vôo, o tempo era curto demais para planejar roteiros elaborados. E como o foco dessa viagem era botar os pés pro alto e relaxar, minha busca focou em um hotel que fosse um mini-paradise: praia, piscina, praia, água de coco, praia, atividades para os pequenos e praia – sentiu a inclinação? Resumindo, relax absoluto.

O objetivo final era esse...

Relaxamento total: Missã0 dada, Missão cumprida!

“Aí vem o desespero, machucando o coração…” Em meio as minhas pesquisas começou a bater um certo pânico. Isso porque eu ia descobrindo que todos os hotéis que eu gostava (procurava pela região de Nungwi, onde li que tinham as melhores praias), estavam TODOS lotados. Tá vendo, quem manda organizar viagem em cima da hora Dona Carioca? Mas não é todo dia que dá a louca na Qatar Airways, né? Foi então que lá pelos 45′ do segundo tempo, golaço: achei o paraíso na terra, ou melhor dizendo em Zanzibar. O nome do paraíso:  Hideaway Resort & Spa.

Aquela hora que a gente para e pensa: tô no paraíso

Aquela hora que a gente para e pensa: gente estou no paraíso

BINGO! Consegui reservar o ÚNICO quarto disponível pelo BOOKING.COM que nunca me deixou na mão. Não se esqueça, sempre que você for reservar seu hotel, vem aqui nessa janelinha aqui do lado >>> no CariocaTravelando.com. Reservando por aqui o preço é o mesmo que com o hotel, mas por aqui você ajuda o Carioca Travelando a continuar com as dicas de viagens e ainda me paga um café. Olha que bacana! O hotel por si só merece um post completíssimo a parte, portanto… stay tuned.

Varanda do nosso quarto... só pra dar um gostinho de quero mais

Vista da varanda do nosso quarto… só pra dar água na boca até o próximo post.

Pack! Pack! Pack! Correndo com as malas

Seguindo com os afazeres da viagem em cima da hora, depois das benditas passagens aéreas compradas e o hotel reservado, era hora de arrumar as malas. Para uma semana, dois adultos e duas crianças, conseguimos a proeza de levar apenas uma mala de mão, com os equipamentos fotográficos do maridão e laptop (pois tive que estudar lá, tá pensando que é moleza?), e uma mala média que despachamos. Momento minimalista: a cada viagem eu fico mais orgulhosa de conseguir levar cada vez menos bagagem. Quantas vezes eu já viajei de malas abarrotadas, com um monte de tranqueira que na maioria das vezes nem sequer saía da mala? MUDEI!

Faça chuva ou faça sol (nesse caso em Zanzibar), os óculos não podem ficar de fora da bagagem

Faça chuva ou faça sol (nesse caso MUITO SOL em Zanzibar), os óculos (s) não podem ficar de fora da bagagem, certo?

É lógico que fazer malas para meninos não se compara a fazer malas para a única princesa desse castelo (euzinha). Eles, ainda mais quando o destino é praia, basta bermuda, chinelos e tá tudo certo. Já as meninas… aquela imensidão de opções, é tanta coisa pra pensar, né? Mas com jeitinho, estou conseguindo aprender a levar apenas o essencial: faz a viagem mais fácil e a vida muito mais simples. Muitos de vocês já me pediram um post sobre como arrumo as malas – e é mais um post que está no forno, preciso é tomar vergonha na cara (#prontofalei), para finalizá-lo e dividir as dicas aqui com vocês.

A Paradinha e a Chegada

Saindo de Doha, no Qatar são aproximadamente 8 horas de vôo até à Tanzânia. Tivemos uma parada técnica para abastecer o avião na ida e na volta no famoso e temido Kilimanjaro. Esse deve estar na lista de vários aventureiros aqui, confirma?

Zanzibar

Olha eu conhecendo o Kilimanjaro – pela janela do avião vale?

Ah, o vôo da volta foi uma tremenda surpresa (not so happy). Isso porque não tinha nenhum sistema de entretenimento. Há muitos anos não viajava em um avião sem uma televisãozinha passando uns filminhos e distraindo a gente – e as crianças é claro!

8 horas sem TV mas com suquinho ;)

8 horas sem TV mas com suquinho ;)

Confesso que bateu aquele desespero na hora, por conta das crianças: meu Deus, 8 horas dentro do avião sem filminhos? Esses meninos vão tocar o terror! Vão pedir gentilmente para nos retirarmos do avião. Mas nada que um bom e santo “tablet”, carregado e cheio de joguinhos (sempre educativos), não possa fazer pela paz dos passageiros e da tripulação, não é verdade? Fica a dica aí.

Chegando em Zanzibar... aquele momento que toda a família diz U-A-U

Chegando em Zanzibar… o momento do U-A-U!

O aeroporto de Zanzibar (ZNZ) é bem simples, o calor e a umidade local foram imediatamente notados (e vistos) assim que aterrizamos por lá. Ao chegar na imigração fui confrontada com páginas e mais páginas para preencher (e tudo aqui é vezes 4, lembre-se). Então imagina a minha satisfação em ter que, depois de 8 horas de vôo (mais a paradinha técnica no Kilimanjaro), ter que preencher uma infinidade formulários? Dá-lhe trabalho em equipe: o maridão ficou com as crianças e eu trabalhando na caneta.

Operação tira (e guarda!), casaco

Longe do friozinho de Doha, operação tira o casaco.

O Visto e a papelada

Em meio as dezenas de formulários, a boa notícia é que Portugueses e Brasileiros recebem o visto de turista na imigração do aeroporto de Zanzibar, após entregar todos os trocentos formulários de imigração devidamente preenchidos. O nosso visto custou $50 dólares por pessoa, pagos no aeroporto com cartão de crédito – essa parte foi vapt-vupt.

Zanzibar

Minha expressão de alegria por estar me desintegrando de calor e preenchendo 249.000 formulários

Do Aeroporto ao Hotel: a verdadeira África

Uma viagem pela África pode ser cheia de surpresas. E tentando evitar algumas delas, reservei um carro com o próprio hotel para o transporte do aeroporto até Nungwi no norte da ilha. Tinha visto no Google Maps que o hotel ficava mais ou menos uma hora de carro, e como estava com as crianças, achei melhor não arriscar aventuras com outro meio de transporte – pelo menos na chegada. Chegaríamos cansados e eu não aguentava de vontade de ver logo aquela praia linda.

Chegamos

Chegamos!

Entretanto, logo na saída do aeroporto vimos diversos motoristas oferecendo seus serviços. Desde carros privados até taxis. Percebi que os turistas negociavam bastante, afinal pra quem não fez reserva antecipada de transporte, essa era a única opção. O carro que o hotel mandou para nos buscar era grande, com ar-condicionado, musiquinha, tinha todos os cintos de segurança e até água geladinha. E por que eu estou falando isso? Porque pelos relatos que eu li na internet, carros assim por lá não são maioria. Então, fica mais uma dica: organize o transporte da chegada para o hotel com antecedência – seja com o próprio hotel ou por outra via.

Aeroporto Zanzibar

O que uns chamariam de ausência de luxo, eu chamo de simplicidade.

Cenas dos próximos capítulos… 

Sem mais delongas, encerro esse que é o primeiro post da série Zanzibar, Tanzânia. No próximo post conto tudo sobre o hotel que ficamos. Teremos também o relato do nosso almoço no famoso restaurante no meio do oceano (The Rock) e contarei ainda sobre a nossa visita à Stone Town, a famosa cidade em Zanzibar – terra do meu amado cantor Freddy Mercury – você sabia que ele nasceu lá?

Carioca Travelando checking out…

By Carla F.

Fotos by Vidal Ferreira Photography

Comments

  1. Luciana Kanzato says

    Carla sempre adoro seus posts porque você viaja com crianças e dá dicas superlegais de como se virar com os pequenos. Estarei na Africa do Sul em Janeiro de 2018 com meu marido e filho de 8 anos e gostaria muito de conhecer Zanzibar, mas tenho receio da Malária, visto que é um lugar endêmico. Vocês tomaram os medicamentos profiláticos para malária? Havia muitos mosquitos nos hotéis que vocês ficaram?

    • says

      Oi Luciana, muito obrigada pelo seu comentário aqui. Fico bem feliz de você curtir o blog, super obrigada :)
      Nós não tomamos os medicamentos para malária quando visitamos Zanzibar. O que fizemos foi levar repelente e usamos bastante lá durante a noite. Graças a Deus foi tudo tranquilo.
      Inclusive um dos meus meninos sempre fica com marcas das picadas de mosquitos quando vamos ao Rio, mas incrivelmente em Zanzibar (mesmo nas noites que esquecemos de passar o repelente), ele voltou pra casa sem nenhuma marquinha.
      Tinham mosquitos por lá sim, mais a noite, entretanto não era nada que incomodasse muito a gente. As camas no quarto tinham telas enormes, além das portas da varanda também. De toda maneira, umas 4 da tarde o staff do hotel já vinha e fechava todas as portas e organizava os quartos para a noite. Foi bem tranquilo. Zanzibar é lindo demais, depois me conta o que vocês acharam da viagem. Um grande abraço, Carla

  2. Catia says

    Olá carioca, sou uma outra carioca que como vc, ama viajar. Irei com meu marido em Outubr para Zanzibar e gostaria de saber se vcs tiveram que se vacinarem (febre amarela, malária) antes de ir?
    Vou sair da Europa (moramos na Suíça) e vi em alguns fóruns que a vacina é obrigatória. É verdade? Ficaremos em Nungwi tb, só que no Royal Zanzibar.
    Acho que irei amar essa ilha, curto muito visitar lugares com praias lindas e acho que em Zanzibar, estarei mais do que servida!
    Obrigada pelas dicas!

    • says

      Oi Catia, nós tomamos a vacina de febre amarela há alguns anos e ainda está válida (10 anos de validade). É recomendável tomar a vacina.
      Quanto a malária, não foi necessário nenhuma precaução adicional – apenas levamos repelente e usamos lá durante a tardinha e a noite.
      Foi tudo tranquilo durante e depois da viagem :)
      Espero que vocês curtam bastante Nungwi, é realmente um paraíso.
      Um grande abraço e uma ótima viagem!

  3. Dhiaka says

    Achei uma pena você não ter explorado mais essa ilha tão linda, ela tem uma história cultural muito interessante.

    • says

      Oi Dhiaka, nós exploramos bastante a ilha sim.
      Fomos ao centro, na antiga cidade conhecida como “Stone Town” e em breve post aqui os detalhes e as dicas desse passeio.
      Um grande abraço :)

  4. Erika says

    Carla,amei!!!Viajei com vcs!Com certeza um destino que eu e minha família vamos amar!Valeu as dicas e fotos show

Leave a Reply to Marta Cancel reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

CommentLuv badge