A Capital das Maldivas: Male

Nossa visita à capital Male
Maldivas parte 3, Male, está no ar! No primeiro post sobre as Maldivas falei sobre esse país paraíso e porque visitá-lo. Já no segundo post contei tudo sobre o hotel que escolhemos, passeios que fizemos e como é importante escolher muito bem a sua hospedagem por lá. Agora no terceiro post da série, falo sobre a nossa passagem pela capital das Maldivas, Male.

Male 
Um ponto importantíssimo na hora de reservar o seu vôo para as Maldivas: tanto os barcos e hidroaviões que vão para os hotéis, só saem durante a luz do dia – ou seja, pela manhã ou durante à tarde. Se o seu vôo chegar nas Maldivas à noite, você terá que passar uma noite em Male, e partir para o hotel, pela manhã do dia seguinte. O mesmo na volta pra casa: se o seu vôo sair muito cedo, você terá que sair do seu hotel um dia antes, e ir para Male no final do dia. Em nosso caso, o vôo chegou de manhã cedo, então pegamos o hidroavião e partimos direto para o hotel. Mas na volta pra casa, o nosso vôo saia as 9 da manhã, então fizemos o check out do hotel um dia antes, a tardinha, e passamos uma noite em Male (voando para casa no dia seguinte).
A maioria das pessoas que visitam as Maldivas programam seus vôos para não precisar passar uma noite em Male. Eu particularmente posso dizer que gostei de conhecer a capital das Maldivas. Assim que chegamos ao aeroporto um funcionário designado do hotel nos acompanhou até as barcas que fazem o transporte Aeroporto x Male. As barcas funcionam 24 horas por dia, e saem a cada 10 minutos. Você pode escolher entre speedboat(3 minutos a viagem, $3 dólares cada), ou barco (10 minutos por travessia, $1 dólar cada). Nós escolhemos o barco, e apreciamos os 10 minutos de viagem – com varias oportunidades para fotos.

O barco que nos levou do aeroporto até Male
Lá no aeroporto em Male, combinamos com um guia local (se interessar passo o contato), que nos pegou no hotel e nos fez um walking tour maravilhoso. Ele é formado em turismo, originalmente de uma pequena ilha local e decidiu “tentar a vida” na capital Male. Com um inglês muito bom e grande conhecimento sobre os principais pontos turísticos/culturais da ilha, ele nos acompanhou para o tour pela movimentada Male.
Chegando em Male um motorista do hotel nos aguardava no Pier de Male. A ilha tem apenas 1.5 milhas (+- 2 km) de distância, e apesar de pequena, foi uma aventura cruzá-la de carro para chegarmos ao hotel. As ruas estreitas mas muito movimentadas e a quantidade impressionante de motos, fez nossa viagem parecer quase um filme de ação.  São muitas, muitas, MUITAS motos!!! Era muita motocicleta para uma ilha tão pequenina – às vezes tínhamos a impressão de que tinha mais moto do que gente na ilha.
Uma curiosidade: apesar da imensa quantidade de motos existentes na ilha, não existe um lugar que você possa alugar uma moto ou uma bicicleta por lá. Devido ao trânsito, eu particularmente não recomendo essa opção. Talvez, porém, você consiga arranjar isso direto com o seu hotel com antecedência. Nós andamos por toda a ilha, e foi uma descoberta atrás da outra – sem contar o exercício físico que caiu como uma luva depois da comilança no resort.
Durante a minha pesquisa, vi que Male possuía pouquíssimas opções de hotéis. Diferente de uma diária no resort nas ilhas das Maldivas, os hotéis em Male saem muito mais em conta. Alguns hotéis oferecerem quartos apenas para o período do dia – sou seja, somente para o tempo que você ficará em Male esperando o seu vôo – ou para voltar para casa, ou na chegada, indo para o seu resort. Eu escolhi o Hotel Octave Maldives para passarmos uma noite em Male baseado nas reviews que li. Como mencionei, Male é tão pequena e  extremamente populosa, espaço por lá é para poucos. Com o hotel que escolhemos, não foi diferente: o quarto era bem pequeno, muito limpo e oferecia o conforto básico que precisávamos para uma noite. Os funcionários sempre com um sorriso no rosto, prontos para nos atender. Nosso vôo saia muito cedo, e um funcionário estava pronto às 5:30 da manhã preparando o nosso café. Reservei o hotel antes, através do Booking.com (link aqui na barra à direita do CariocaTravelando.com) e ficamos satisfeito com o custo x beneficio que o hotel nos proporcionou.
Olha que curioso: reparem no cofre do hotel, quanta segurança – #só que não. Estava soltinho, soltinho e pelo menos me garantiu boas risadas. A sugestão para prenderem o cofre junto à parede do armário já foi feita…  
Como disse no post anterior, o mais marcante na capital são os contrastes que vimos. A vida em Male é bem diferente da vida que se vê nos resorts. Assim como todo o país, a capital é fortemente regida pelo islamismo, e a maioria das mulheres cobrem os cabelos – vi muitas usando a abaya (aquele vestidão preto que cobre todo o corpo, e até mesmo com a burca (aquela roupa preta que só deixa de fora os olhinhos da mulher). Em Male você não encontrará álcool nos restaurantes e hotéis. Se quiser muito tomar um drink, terá que pegar um speedboat e ir até a ilha mais próxima de Male, que fica há 10 minutos, e tomar um drink no hotel de lá.
Male é repleta de imigrantes dos países próximos: Sri Lanka, Índia, Bangladesh, Europa, dentre outros. Eles migram para as Maldivas em busca de oportunidades de trabalho. De acordo com a lei das Maldivas, os hotéis e resorts devem ter no mínimo de 50% do seu quadro de funcionários formados por nacionais (nascidos nas Maldivas). Com isso, o restante das vagas ficam para os imigrantes. Nosso guia nos dizia que essa mistura de culturas nas Maldivas gera um pouco de atrito, afinal os locais das Maldivas são 100% muçulmanos, e os imigrantes dos países vizinhos são na sua maioria praticantes de diversas religiões.
A praça da República (Jumhooree Maidan), é o ponto de encontro em Male
A Majeedee Magu é avenida principal de Male. É lá que está o comercio principal da capital, e tem de tudo: lojas de sapatos, roupas, brinquedos… mas confesso que nada me animou a fazer umas comprinhas. Fique atento: todo o comércio em Male fecha para as 5 orações islâmicas diárias. Se for comprar algo, ou sair durante o dia, não se esqueça de checar o horário das orações – para literalmente não dar de cara na porta.
O primeiro lugar que visitamos em Male foi o Grand Friday Mosque e Islamic Centre (Grande Mosque e o Centro Islâmico). O Centro Islâmico foi aberto ao público em Novembro de 1984. Sua estrutura possui uma inscrição do Al Corão no topo (livro sagrado para os muçulmanos), e tem a capacidade de receber até 5000 mil pessoas. Recomendo conhecer. No momento que visitamos estava acontecendo a última oração da noite. Bem interessante ver o movimento dos fiéis para participar desse importante momento do dia para eles. Lembre-se de se vestir modestamente quando estiver visitando Male, demonstrando respeito a cultura local (explico um pouco mais sobre como se vestir para visitar mosques nesse post AQUI).
 
Centro Islâmico (Islamic Centre)
Bem próximo ao local que desembarcamos de barco vindos do aeroporto, encontramos o que chamamos de uma grande feira livre. Lá vimos diversos tipos de frutas, legumes e verduras, tudo local. Vários tipos de bananas, muitos cocos e abacaxis, as frutas mais comuns da região. Experimentamos um doce de coco, com mel (que lembrava muito a nossa cocada do Brasil), enrolado numa folha seca de bananeira, fez a nossa alegria. Cada “rolinho” custava $1 dólar e levamos vários pra casa, uma delícia!
Grande feira livre de Male
Outro lugar que você não pode deixar de visitar é o mercado de peixes (fish market), ele fica bem ao lado dessa feira livre que comentei acima. O local é considerado por muitos como sendo “a alma de Male”. E é lá que os pescadores trazem seus peixes para o comércio – depois do turismo, a pesca é a segunda fonte de renda dos locais das Maldivas. Peixes, camarões, lagostas e todos os tipos de frutos do mar são vendidos no local. Vale a pena conferir.
Essa lojinha de souvenir foi um dos poucos lugares que vi do tipo por lá. O dono foi super simpático e conseguimos garantir alguns descontos na hora do pagamento. A loja possui 3 andares e você vai encontrar praticamente tudo que possa imaginar lá para levar de lembrança das Maldivas. Vale muito a pena visitar o local e garantir o seu souvenir de Male.
O interior da lojinha (são 3 andares) de souvenirs

Depois de literalmente caminhar por toda a ilha, explorando Male com a ajuda do nosso guia, estávamos famintos. Ele nos recomendou o restaurante Gourmet que foi uma agradável surpresa. Um garçom alegre e muito simpático de Bangladesh fez questão de que nos sentíssemos em casa. Pedimos uma cesta de frutos do mar que estava divina. A receptividade dos funcionários e a comida local deliciosa nos faz lembrar com saudades desse jantar.

Banquete maravilhoso!
Ao sairmos do restaurante começou a cair o famoso “pé d’água” – muita chuva mesmo. Nessa hora, incrivelmente todas as motos desapareceram (como num passe de mágica!), dando lugar aos táxis, e claro, todos estavam lotados. Qualquer lugar que você vá na ilha o preço do taxi é sempre o mesmo: 20 rufiyaas durante o dia, e 25 depois da meia noite. O motorista talvez cobre mais 10 rufiyaas se você tiver bagagem. O primo do nosso guia é motorista de táxi e foi através dele que conseguimos voltar para o hotel. Dentro dos poucos táxis existentes na ilha, podemos fugir da forte chuva que caia e também aproveitar alguns minutinhos no ar condicionado (que ninguém é de ferro, né?).
Repara nesse aviso dentro do táxi, mais ou menos assim “Cuidado com as paredes (ruas estreitas demais!) e motos ao abrir as portas do taxi. Qualquer dano causado ao carro, o custo será de sua responsabilidade”. Melhor fica esperto ao abrir as portas por lá, né?
 
Aviso curioso dentro do táxi
Visitar Male foi uma experiência interessante. Conhecendo a capital, você terá a oportunidade de ver as “Maldivas como ela realmente é”, bem diferente da vida nos hotéis e resorts. Em Male conhecemos um pouco mais desse país culturalmente riquíssimo e cheio de história. Indo às Maldivas, sugiro que você reserve um ou dois dias para explorar Male. Você vai voltar pra casa com uma lembrança das Ilhas Maldivas que vai muito além das praias paradisíacas de águas cristalinas.
 
Maldivas foi uma viagem dos meus sonhos. Lá tive a oportunidade de ver tudo o que sempre imaginei: paisagens espetaculares, águas cristalinas, provar a deliciosa culinária,  aproveitar dias de muita sombra, paz e água fresca. Já estou planejando nosso retorno ao paraíso, só que dessa vez tendo os pequenos a tiracolo. Voltaremos com prazer!
 
By Carla F.
Fotos by Vidal & Carla F.

Comments

  1. Percio says

    Oi Carioca,
    Estamos em Male, podes passar o contato do guia.
    Gostamos da tua sugestão.
    Dicas ótimas
    Abraço,
    Percio

    • says

      Oi Percio, perdão perdi a mensagem de vocês! De toda maneira procurei nos meus arquivos mas não encontrei o guia que usamos por lá :(
      Aproveitaram bastante esse paraíso? Um grande abraço

  2. Alan gotera says

    Já estava na cabeça de viajar pra lá, agora com seu artigo me animei mais ainda, perfeito o lugar e é pra lá que irei agora em dezembro, valeu.

  3. says

    Depois deste agradável post , nos animamos mais ainda . Acabamos de fazer nossas reservas .
    Gostaria sim das coordenadas do Guia de Male. Nosso Eid vai ser bem envolvente , Insha Allah .
    Seu blog esta um arraso ,
    Parabens

    Beijao

    Valéria

  4. Rafael Costa Jordão says

    Olá!

    Gostei muito do teu blog sobre as Maldivas. Estou indo para lá daqui a três semanas e a viagem será surpresa para a minha esposa.

    Tenho algumas dúvidas em relação ao que você escreveu aqui no blog.

    Seria pedir muito que entrasse em contato comigo no email: rafaeljordao1974@gmail.com?

    Muito obrigado!

    Rafael

  5. cristina says

    Olá,

    Estive a ler o seu blogue e gostei muito da descrição e das dicas!
    Estou a planear ir a Maldivas em setembro, visitar 1 amiga que está la a trabalhar e penso reservar o Hotel Octave e depois passar os restantes dias com ela em Malé.

    É uma boa escolha? E quanto à alimentação? quais os preços em média? Qual a sua opinião?

    Obrigada
    Cristina

  6. Alexandre says

    Olá!
    embarco semana que vem para Maldivas e achei ótimas as suas dicas.

    Uma dúvida. Quero muito praticar snorkeling no resort que ficarei, mas penso em não levar do Brasil e sim comprar a máscara, snorkel e pé de pato em Male ou no hotel, o que você me recomenda?

    Obrigado,
    Alexandre

    • says

      Oi Alexandre, na minha opinião você está certo em não levar os acessórios para snorkeling – afinal, se for pegar o bimotor para ir de Male até o seu hotel, o máximo de bagagem permitida, por pessoa, são 20kg. Ao invés de comprar, sugiro que você alugue os acessórios no próprio hotel – a grande maioria oferece aos seus hóspedes os acessórios para uso (cobrando ou não algo por isso). Uma excelente viagem e espero que curta bastante esse paraíso :)

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

CommentLuv badge